sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Soldadinho

QUANDO CRIANÇAS, planejamos o nosso futuro de um modo tão singelo e fantasioso que somente quando adultos percebemos o quanto nós mudamos. Ainda me lembro de desenhar no chão do quintal as ruas de uma cidadela aonde brincaria com meus carros coloridos. Dinossauros e soldados existiam no mesmo plano histórico e as horas passavam ligeiras até a hora do jantar se anunciar. Eu temia virar adulto e abandonar as minhas diversões de infância chegando a prometer a mim mesmo que brincaria de soldado mesmo quando adulto, mas esse jovem foi se perdendo a cada ano dentro de um vilão em crescimento. Porque os adultos são vilões. Com as suas ordens; com os seus gritos; com as suas conversas chatas; com os seus compromissos idiotas; e com os seus dinheiros que nunca sobram para nada realmente interessante. Sinto falta da infância que nunca tive, dos amigos de rua que nunca brinquei, dos machucados que nunca curei e das surras que nunca levei. Com o passar do tempo pareço até uma criança reprimida num corpo que não me pertence mais. E pior que quebrar uma promessa feita a alguém é não levar a sério os juramentos feitos a nós mesmos. “- Soldados, preparar!”

8 comentários:

Giuseppe Menezes disse...

Demorei mas coloquei algo novo por aqui! Desculpem a todos(as) pela falta de atenção a este blog e obrigado pelos pedidos de atualização. Vocês são realmente demais!

Jsk disse...

não sei porque, mas eu não sinto tanta falta da minha infância não. acho que porque não foi uma das melhores. bjs:*

BAh disse...

A minha infância não foi das melhores. Mas de qualquer forma, muitas coisas que eu planejei no passado realmente ficaram só nos planos, enquanto que a realidade me levou para um caminho completamente oposto.
C'est la vie, eh?
beijos

Taís. disse...

aah q lindo texto, adorei. hj eu falava com meu pai sobre isso. hauhauahu, a gente vendo as crianças brincando e ele: é bom esse tempo né? E eu, é, tanto quanto esse agora [nas horas em q estou com problemas e tal, n acho isso, acho sempre a infancia melhor] mas acho agora bom tbm, e comecei a listar as coisas q eu odiava em ser criança: n poder sair sozinha, as pessoas rirem de tudo q eu falava achando bonitinho ou engraçado, e todo adulto da família dar ordens pra mim, e não deixarem comer leite condensado, huahauhau... Mas as coisas boas, como o entusiasmo, o otimismo e a brincadeira, procurar levar sempre é bom. xD

Tatá Lima... (L. disse...

Belo texto, é facinaante, como nos leva a refletiir, blog beim acolhedoor ^^

Jaquelyne disse...

Ai, Gepp, a infância...
ez em quando me vem como um lençol, pousa sobre mim, e quando abro os olhos me vejo criança noamente e faço tudo que a alegria infante me permite!!!
Não deixe morrer, Gepp!!Não se abandone,menino!!

Jsk disse...

ainda não li o mundo de sofia... ganhei esse de aniversario =D

Mayara disse...

Eu não tenho saudades da infância em si, mas tenho saudade do estilo de vida dos anos 90, que era bem diferente do atual.

A infância em si foi normal, brinquei na rua, machuquei muuuito o joelho, tomei umas surras básicas, hehe... acho que meus pais fizeram o melhor que podiam.

E meu sonho era ser miss ;) hahaha

Beijos!